quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Relembrando...


O texto abaixo foi escrito bem no início do ano, é um dos textos que mais gostei de ter escrito e achei interessante que viesse parar aqui.
Esse texto mostra bem o porquê do nome desse blog.
--------------------------

Acabei de rever um filme que há muito tinha visto.
Estou ouvindo aquelas músicas que, de tanto ter escutado, já não faziam sentido.
Não faziam, até então.
Acabo de pensar nas filosofias de bar que sempre usei.
E concluí que nunca soube da verdade.
Acabo de tomar um porre de mim mesmo.
Reescreví velhas frases de um caderno velho que achei, nunca mais abriria.
Já nem sei o porquê.
Importa?
Nem sei se volto...
Pensamentos me carregam pra não sei aonde.
Será que volto?
Será que importa?
Será?
Talvez...
Talvez a dúvida seja mais certa que a certeza.
Talvez a verdade seja tão duvidosa quanto a morte do rei.
Provável.
Possível!
Quem sabe um dia eu acorde.
Quem sabe um dia recupero a certeza de duvidar.
Quem sabe a ressaca não me mate.
Aí eu reescrevo as músicas.
Aí eu leio os livros.
Aí então talvez eu beba o suficiente.
O suficiente pra acabar, pra me acabar.
Talvez deixe vestígios.
Talvez seja visto por quem importa!
Como os óculos do John ou o colírio do Raul.
Ou simplesmente esquecido, como as velhas frases no caderno.
É possível, que queime tudo de uma vez.
Prefiro isso a me apagar aos poucos!
Loucura?!
Mas isso é tão normal.
Agora não importa.
Não faz diferença.
Quando chover, talvez.
Um gole...
Uma frase...
Uma música.
Daquelas que vêm do coração.
Escrita com sangue alcoolizado.
Pra não ser esquecida.
Pra ser lembrada e cantada por quem nem sabe o que significa.
Enquanto isso me embebedo de meu ego.
Fazer o quê se é só o que todos fazem.
Todos fazem o mesmo: Assistem os filmes, ouvem as músicas, lêem as frases e esquecem o significado.
E tudo volta ao normal, fica banal.
O ciclo nunca acaba.
E é por isso que estou ouvindo as músicas, vendo os filmes e escrevendo no caderno.
Boa noite!



(Texto escrito dia 08/01/2008, 01:45 da madruga)
(O calor me impedia de dormir)
(Pensamentos também)

3 comentários:

pajaque disse...

É possível, que queime tudo de uma vez.
Prefiro isso a me apagar aos poucos!


.
acho que o kurt escreveu algo assim na carta dele. :)
e
montaigne diria
filosofar eh duvidar.

Conto atômico & cômico disse...

A dúvida é o preludio da perfeição!

muito bom o teu texto meo, nem sabia da existencia do teu blog!
haha!

vou continuar passando aí!

da um bico no meu também!
falô!


(Johnny hehe)

Máh Ltda. disse...

Eu adoro ler as coisas que tu escreve, e agora vou me deliciar nesse teu blog!

Passa la no meu depois
Te adoro muito Carlinhos :D